2° aniversário do blog Forense Contemporâneo

1
💡

Forense Contemporâneo II aniversárioCaríssimos leitores,

Hoje estou comemorando o 2° aniversário do blog Forense Contemporâneo. Sim, já faz dois anos que iniciei este blog, publicando a Apresentação no dia 24 de maio de 2005. Ao longo destes dois anos, procurei escrever aqui sobre assuntos jurídicos que eu considerei importantes.

Comecei utilizando, para publicar o blog, o Blogger, mas acabei mudando para o WordPress. Estou satisfeito com o WordPress. Nestes dois anos, criei o personagem Bob Law, um advogado que vive situações interessantes, sempre aprendendo alguma coisa em sua vida. Pretendo escrever mais histórias com o Bob Law. Além disso, neste mês, o blog traz a primeira resenha de livro jurídico (ver post “Resenha: Führer & Führer – Código Penal Comentado“). E pretendo escrever outras resenhas. Já havia no blog comentários sobre filmes (ver, por exemplo, o post “Uma lição de amor“), e poderei escrever mais comentários sobre filmes. Há também uma página experimental, aqui no blog, que é o Espaço dos Juristas.

Mas, parece que o ponto alto do blog são os posts sobre novidades legislativas. Exemplo disso é o post “Lei 11.441/07 – Inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por escritura pública“, que já conta com mais de 210 comentários.

Algo que se tornou muito comum neste blog é o leitor incluir nos comentários dúvidas sobre situações jurídicas. Alguns perguntam sobre casos próprios, outros (quando advogados, por exemplo) perguntam sobre casos de seus clientes. O leitor vem ao blog, descreve situações de fato e diz estar procurando uma solução. É gratificante notar que o leitor se sente bem em expressar suas dúvidas aqui no blog, mas a verdade é que não é possível responder a cada dúvida expressada por cada um dos leitores. Não é questão de falta de tempo. Também não se trata de falta de conhecimento – é claro que juristas (mesmo os grandes juristas) têm suas próprias dúvidas sobre direito, mas temos as leis, os livros jurídicos etc. para pesquisar, e então se faltar o conhecimento, que este seja buscado. A questão central é, na verdade, a do caso concreto. O caso concreto é a situação de fato, é o que ocorre, é o caso vivido por alguém. Quando há alguma dúvida jurídica sobre certo caso concreto, é essencial que haja a participação pessoal de um advogado ou de um defensor público, conforme o caso. Isto já foi dito diversas vezes neste blog. Acredito na relação personalíssima advogado-cliente.

Algumas situações, no entanto, podem inspirar posts e comentários mais gerais sobre determinado assunto. Isto é interessante, e pode até ajudar esclarecer certos pontos sobre determinados assuntos. Mas os casos concretos continuam existindo, e também a essencialidade daquela relação personalíssima.

E o blog continua. Aos leitores, muito obrigado pelas visitas e pelos comentários.

1 COMMENT

  1. 1 – Regina procurou um escritório de advocacia e contou que Possi um filho, Márcio, que cumpre medida socioeducativa de semi-liberdade. Aduziu que Márcio já completou 18 anos de idade e que, por isso, ele deve ser posto em liberdade.
    Diante da situação hipotética descrita, responda: o advento da maioridade penal faz cessar a aplicação de medida socioeducativa prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente? Fundamente sua resposta.
    2 – Valdir fotografou Célia, criança com 10 anos de idade, em poses eróticos e, em seguida, publicou as fotos na Internet. Ocorreu que, devido a problemas com o provedor, tais fotos ficaram na rede apenas por 10 segundos, tendo sido vistas por somente uma pessoa.
    Acerca da situação hipotética descria, é típica a conduta de Valdir? Fundamente sua resposta.

Comments are closed.