Arrumando a casa

4
💡

Acabo de receber um e-mail em que uma leitora do blog pede uma matéria sobre “a grave situação que envolve a realização de concursos no Tribunal de Justiça e a postergação de nomeações”. A leitora especifica o concurso para Psicólogo do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, realizado em 2005. É um tema interessante, e posso fazer algum comentário sobre o assunto.

Não vou entrar em detalhes normativos a respeito do direito dos candidatos à nomeação em concursos públicos. Quanto a esta questão, apenas lembro que, em geral, os editais de concursos se eximem da responsabilidade de nomear candidatos aprovados, quando não necessitarem destes candidatos e quando não tiverem condições orçamentárias para pagar o seu trabalho. No próprio edital do concurso de 2005 para psicólogo do TJ-SP, há um item neste sentido. Está no nºXI, item 8. Vejamos:

Nº XI, Item 8 – “A aprovação no Concurso não gera direito à nomeação, reservando-se ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo o direito de nomear os candidatos aprovados na medida de suas necessidades e da disponibilidade orçamentária existente.”

O edital mencionado está na página do concurso de 2005 para psicólogo do TJ-SP, no site da Fundação Vunesp. O item 8 mencionado fala de “necessidade” e de “disponibilidade orçamentária”. É uma regra muito comum em editais. E talvez seja uma das regras que mais irritam o concursando. Não é difícil que surjam questões como: “se não há necessidade, por que abriram um novo concurso?” ou “se não podem nomear os candidatos aprovados, por falta de recursos, por que não abriram o concurso mais tarde?”.

Na verdade, não entendo muito bem a política dos concursos públicos no Brasil. Tenho notado insatisfação, principalmente por parte dos concursandos. Ocorre que a abertura de um concurso público, qualquer que seja a área, gera expectativas para quem deseja prestar tal concurso. O concursando se organiza, estuda, passa pelo estresse e ansiedade a cada questão que responde nas provas do concurso, muitas vezes se desesperando frente à enorme quantidade de candidatos. Mas, não sabe se vai ser nomeado, mesmo obtendo as melhores notas e atingindo as melhores colocações. Isto é, por si só, um desrespeito para com o concursando.

Reafirmo que não vou discutir sobre aspectos normativos, relacionados ao assunto. Não vou discutir se é certo ou se é errado, juridicamente, a não nomeação de candidatos aprovados em concursos públicos por motivos de “necessidade” ou de “orçamento”. E também não sei como está o andamento do concurso específico mencionado acima.

O comentário que faço é de outra ordem. Acho que já passou da hora de “arrumar a casa”. Parece-me que o Brasil está enfrentando um momento de confusão. E esta confusão gera insegurança. Uma primeira tarefa que poderia melhorar a situação é a da humanização da área pública, porque há coisas que leis e computadores não resolvem por si mesmos.

Por exemplo: ao lançar editais de concursos, o órgão responsável deve analisar antecipadamente a sua capacidade de nomear candidatos aprovados para as vagas de que dispõe. Mais uma vez, digo que não entendo a política dos concursos públicos no Brasil, e também não estou fazendo uma discussão normativa. Estou apenas dizendo como acho que seria correto, em termos de organização e de respeito ao concursando.

Ainda acredito que boa parte da solução está na boa vontade das pessoas, especialmente os responsáveis pelos órgãos públicos, uma boa vontade para analisar e tornar mais eficazes as decisões tomadas na área pública.

No e-mail que recebi, da leitora, havia também algo relacionado à contratação de servidores voluntários, mesmo havendo candidatos aprovados em concurso, para os cargos respectivos. Se há contratação de voluntários, há a necessidade, prevista naquele item 8, mencionado. Sobraria o fundamento da incapacidade orçamentária. Deixando de lado a contratação de voluntários, pergunta-se: o que fazer, então, se há necessidade e não há capacidade orçamentária?

Acho que “arrumar a casa” seria um bom começo. Ou seja, analisar-se todos os setores da área pública, com o objetivo de proporcionar mais organização e eficácia nas atividades públicas.

4 Comentários

  1. OI Gustavo!!! Seu artigo está sendo comentado no forum de aprovados no concurso para psi do TJ/SP!!! Parabéns e obrigada!!! Vc sempre dando exemplo!!! Valeu!!! Ana

  2. Imóvel vendido com inventário em andamento, com escritura sem averbação tem valor ou pode ser contestado, herdeiros todos de acordo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here