Breve nota sobre a experiência da “postagem coletiva”

1
💡

Na semana passada, diversos blogueiros escreveram posts baseados na idéia “Vôo JJ 3054 – Uma cena” (ver post “Projeto ‘Vôo JJ 3054 – Uma cena’ – reflexão e homenagem às famílias das vítimas do acidente da TAM“, aqui no blog). Quando vários blogueiros escrevem posts sobre um mesmo tema previamente estabelecido, costuma-se dizer que há uma “postagem coletiva”. Depois que escrevi o meu próprio post com base na mencionada idéia (post “[Vôo JJ 3054 – Uma cena] Aplicação, Prudência, Perícia – A coragem dos bombeiros“), e depois que li outros posts baseados na mesma idéia, posso falar sobre esta experiência.

Acredito que “postagens coletivas” são bons instrumentos de expressão de opiniões, pautadas na pluralidade de pensamentos. Hoje em dia, algumas pessoas talvez possam querer condenar a difusão dos blogs, alegando que a confiabilidade seria fraca. Mas, no Brasil – assim como em qualquer outro país – os cidadãos estão sob um ordenamento jurídico. Em nosso ordenamento jurídico, a expressão individual do pensamento é um direito. Evidentemente, nosso ordenamento impõe certos limites, a fim de que seja possível a vida social pacífica e direitos sejam preservados. Mas, falar em “confiabilidade” é uma questão relativa, que precisaria se muito debatida. Os blogs estão destruindo os meios de comunicação e a literatura tradicional? Eis outra questão a ser debatida.

O que foi mais interessante na idéia “Vôo JJ 3054 – Uma cena”, refere-se à infinita possibilidade de posicionamento. Diante do acidente da TAM, no dia 17 de julho de 2007, não é difícil imaginar que milhões de pessoas quisessem dizer algo a respeito. Quem escreveu posts com base na idéia mencionada, escolheu o enfoque que queria dar ao tema. Por isso, falei acima em pluralidade.

1 COMMENT

  1. Gustavo, a blogagem coletiva é uma boa ferramenta. Aliada a manifestação por email aos nobres dePUTadOS e $enadore$ se torna melhor ainda. Na segunda feira iremos promover uma blogagem sobre a CPMF. Gostaria de contar com você.

Comments are closed.