J+: Juristas do Futuro – Parte II (O experimento)

2
💡

J+Depois que Suzana Cohen publicou seu post sobre o futuro da advocacia e a interação do Direito com a web 2.0 (aou seja, grosso modo, a internet participativa) comuniquei-a que estava preaparando um post-resposta, tendo em vista o interesse que o assunto estava causando e ainda poderia causar. Ao começar a redação de meu post-reposta, foram surgindo novos pensamentos que, às vezes, se mostram apenas quando estamos escrevendo. É algo de certa forma surpreendente e já aconteceu algumas vezes comigo. Quem escreve e quem pinta, quem compõem enfim, sabe o quanto uma página em branco pode intimidante. Às vezes não acreditamos que podemos escrever uma linha útil em nossas folhas ou páginas de blogs. Um fenômeno, para mim bem atraente, às vezes acontece quando tomamos a primeira coragem de escrever as primeiras palavras, e as informações começam a fluir do cérebro para os dedos, que vão teclar as palavras e estas vão para o mundo. Não é sempre que isso ocorre, mas ocorreu desta vez.

Pois, bem. O assunto fluiu de tal forma que resolvi utilizar de um recurso que está à minha disposição e o resultado foi sensacional em termos de qualidade. Publiquei então o post-resposta, que havia ficado bem longo então, como rascunho no grupo Forense Contemporâneo no Facebook, abrindo-o para que os membros do grupo pudessem debater previamente sobre ele. Depois dos debates, eu publicaria o post definitivo aqui no blog.

O debate no grupo, sobre o rascunho, resultou em vários posts dentro do tópico específico referente ao rascunho do post-resposta. E aqui, verificamos ótimos resultados.

Em primeiro lugar, a própria Suzana trouxe a nós uma lista de 6 artigos do próprio Richard Susskind (ver parte I deste post), publicados no Times na forma de excertos de seu novo livro The Future of Lawyers: Rethinking the Nature of Legal Services (em português, “O Futuro dos Advogados: Repensando a Natureza dos Serviços Jurídicos”). Estes artigos estão disponíveis em inglês e possibilitam a interação com seus leitores através de comentários. Os links para os 6 artigos está disponível no site do Times, na página dedicada ao debate intitulado Will lawyers exist in 100 years? (em português, “Existirão advogados em 100 anos?”). Suzana informa que a dica dos links veio de Marco Antonio P. Gonçalves, do blog marketingLEGAL, em seu post sobre o assunto.

Logo depois, veio Gabriela Zago, do blog Ius Communicatio, questionando sobre como os J+ (os Juristas do Futuro) deveriam ser formados pelas universidades. Este questionamento abriu mais um caminho para debates, já que, de fato, é na faculdade que os jojubras têm (ou deveriam ter) a maior oportunidade de fazer experiências, inclusive com os meios que a tecnologia proporciona para a aquisição e transmissão do conhecimento.

Suzana voltou e recomendou um dos vídeos de Mike Wesch, intitulado Visions of Students Today (em português, “Visões dos Estudantes Hoje”). O vídeo pode ser assistido abaixo (outro vídeos de Mike Wesch estão em sua página no YouTube.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=dGCJ46vyR9o]
Link direto para o vídeo: www.youtube.com/watch?v=dGCJ46vyR9o.

Mais tarde chegou Alexandre Atheniense, do blog DNT – O Direito e as novas tecnologias, e confirmando a qualidade do post de Suzana, já mencionado, e afirmando que seria mesmo válido debater sobre o tema, uma vez que ele diz utilizar-se de vários recursos da web 2.0 em seu blog.

Em meio aos debate que se travou no grupo, surgiu ainda algo sobre a web 3.0, para além da web 2.0. Como visto, a web 2.0 é, grosso modo, a internet em que o usuário participa mais da formação e criação do conteúdo disponível, especialmente, hoje, através de blogs e seus comentários, bem como de páginas no estilo wiki, como a famosa enciclopédia virtual Wikipédia. Vejo também na web 2.0 a valorização da palavra colaboração, e aí entra com força o Creative Commons. Já a web 3.0 é um passo além, com mais recursos, mais interação, mais organização etc. Suzana sugeriu-me, por e-mail, um post de Gil Giardelli sobre a chamada Humanidade 4.0, o que tem bastante a ver com o assunto. E Gabriela recomendou um texto de Steve Spalding, em inglês, sobre a web 3.0.

Interessante, não? Esperem até ver a parte III deste post.

———-

Leia as outras partes do post J+: Juristas do Futuro:

Parte I (Introdução)

– Parte II (O experimento) – você está lendo este post.

Parte III (A pergunta de Richard Susskind)

Parte IV (Era um resumo…)

Parte V (Mais algumas palavras)

2 Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here