3 Comentários


  1. Eu não entendo o que o Ministro disse no sentido de impedir as pessoas de acionarem o Judiciário. Isso sim seria inconstitucional.

    Pelo contrário, o que me vem a cabeça é que a intenção do Ministro é i) tentar evitar a necessidade da prestação jurisdicional, usando, por exemplo, mais da arbitragem; ii) e usar mais da coletivização dos processos. Nada mais constitucional, se coadunando com outro princípio constitucional, o do direito a celeridade processual.

    Por óbvio, se vai ser constitucional ou não, vai depender da forma que for implementado.

    GD Star Rating
    loading...
    Responder

  2. Caro Gustavo, em entrevista ao programa “Bom Dia Brasil”, o Ministro Fux passou a mesma mensagem. Ficou claro para mim que os atuais mecanismos de “filtragem” serão ampliados.
    Se hoje existem 70 milhões de processos, informação do Ministro Gilson Dipp à revista “Carta Capital”, que o Judiciário se prepare para essa demanda.
    Os “mecanismos” e as “custas” devem ser adequadas e não barreiras que afastem o cidadão do Judiciário. Acho sim que está havendo um erro de foco, pois a efetividade da prestação jurisdicional não será alcançada com restrições.
    Embora concorde com a necessidade de revisão de várias normas, as medidas adequadas estão ligadas a gestão e planejamento.
    Vale lembrar que no passado aumentaram as penas para determinados crimes e mesmo assim a criminalidade não diminuiu. Pergunta: a solução estava na lei ou na sensação de impunidade causada pela “incapacidade administrativa” de se fazer funcionar o sistema carcerário?
    Abraço e parabéns por suas colocações.

    GD Star Rating
    loading...
    Responder

  3. Gustavo,

    Concordo contigo quanto à eventual inconstitucionalidade da limitação do acesso ao Judiciário. O próprio STF entendeu desta forma quando, por exemplo, fixou que a constitucionalidade das custas processuais enquanto taxas (art. 145, II da CF/88) dependeria de um “teto”, a limitar seu valor máximo.

    Porém, podemos interpretar esta fala no sentido da exortação dos atores processuais a buscarem mais a conciliação e menos o litígio. Vejo a medida com bons olhos, muito embora ela possa ser verdadeiramente inócua, visto que o maior litigante brasileiro é justamente o Estado e este, meu amigo, não faz acordo com ninguém…(seja por falta de autorização legal, seja por má vontade mesmo…).

    Abraço.

    GD Star Rating
    loading...
    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *