Uma Visão Sobre Direito à Saúde

0
💡

Referências

  1. RODRÍGUEZ, A. M. M. M. O processo da Judicialização da saúde como via de acesso à atenção integral: o retrato de um município de grande porte do estado de São Paulo. 2014. 152 p. Dissertação (mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
  2. MACHADO, F. R. S. O direito à saúde na interface entre sociedade civil e estado. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 355-371, jul./out. 2009.
  3. FERRAZ, O. L. M.; VIEIRA, F. S. Direito à saúde, recursos escassos e equidade: os riscos da interpretação judicial dominante. Dados, Rio de Janeiro, v. 52, n. 1, p. 223-251, 2009.
  4. ALMEIDA FILHO, N. O que é saúde? Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.
  5. COMISSÃO NACIONAL SOBRE DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE (CNDSS). As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil: relatório final. 2008.
  6. SANTOS, L. Direito à saúde e qualidade de vida: um mundo de corresponsabilidades e fazeres. In: ______. Direito à saúde no Brasil. Campinas: Saberes, 2010. p. 15-62.
  7. SANTOS, L. Direito à saúde e sistema único de saúde: conceito e atribuições. In: SANTOS, L. (Org.). Direito à saúde no Brasil. Campinas: Saberes, 2010. p. 145-179.
  8. RODRÍGUEZ, A. M. M. M. O processo da Judicialização da saúde como via de acesso à atenção integral: o retrato de um município de grande porte do estado de São Paulo. 2014. 152 p. Dissertação (mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
  9. RIBEIRÃO PRETO. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal da Saúde. Relatório de Gestão: período janeiro a dezembro de 2012. Ribeirão Preto, 2012. Disponível em: <http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/vigilancia/planeja/2012_relatorio_gestao.pdf>. Acesso em 02 fev. 2014.
  10. FLEURY, S. Judicialização pode salvar o SUS. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 93, p. 159-162, abr.-jun. 2012.
  11. MACHADO, M. A. A. et al. Judicialização do acesso a medicamentos no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 590-598, 2011.
  12. MARQUES, S. B. Judicialização do direito à saúde. Rev. Direito Sanit., São Paulo, v. 9, n. 2, p. 65-72, jul.-out. 2008.
  13. PANDOLFO, M.; DELDUQUE, M. C.; AMARAL, R. G. Aspectos sanitários condicionantes para o uso da via judicial no acesso aos medicamentos no Brasil. Rev. Salud Pública, Colombia, v. 14, n. 2, p. 340-349, abr. 2012.
  14. SOARES, J. C. R. S.; DEPRÁ, A. S. Ligações perigosas: indústria farmacêutica, associações de pacientes e as batalhas judiciais por acesso a medicamentos. Physis, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 311-329, 2012.
  15. LEITE, S. N.; MAFRA, A. C. Que direito? Trajetórias e percepções dos usuários no processo de acesso a medicamentos por mandados judiciais em Santa Catarina. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, p. 1665-1672, 2010. Suplemento 1.
  16. VIEIRA, F. S.; ZUCCHI, P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de medicamentos no Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 214-222, 2007.
  17. BRANCO, A. L.; MENDONÇA, C.; LUCCI, E. A. Geografia para o ensino médio. Geografia para todos. [2015]. Disponível em: <http://www.geografiaparatodos.com.br/index.php?pag=capitulo_6_crescimento_populacional_tend%C3%AAncias_e_dilemas>. Acesso em: 17 mar. 2015.
  18. MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.
  19. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (princípios e diretrizes). Brasília, DF, 2008.
  20. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo de Enfermagem Atenção à Saúde do Idoso. São Paulo, SP, 2004.
  21. GIOVANELLA, L. et al. Sistemas municipais de saúde e a diretriz da integralidade da atenção: critérios para avaliação. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 26, n. 60, p. 37-61, jan./abr. 2002.
  22. MATTOS, R. A. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser definidos. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 4. ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, ABRASCO, 2006. p. 42-66.
  23. RODRÍGUEZ, A. M. M. M. O processo da Judicialização da saúde como via de acesso à atenção integral: o retrato de um município de grande porte do estado de São Paulo. 2014. 152 p. Dissertação (mestrado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
  24. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial de Saúde 2008: Atenção Primária em Saúde: agora mais do que nunca. 2008. Disponível em: <http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/31_03_2010_9.22.37.70fbb6ffd32f6598e4de044a8feeacdc.pdf>. Acesso em: 3 mai. 2015.
  25. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Renovação da atenção primária em saúde nas Américas: documento de posicionamento da Organização Pan-Americana da Saúde. Washington, DC: OPAS, 2007.
  26. MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.
  27. MERHY, E. E. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias. Cienc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 305-329, 1999.
  28. CECÍLIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 4. ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, ABRASCO, 2006. p. 115-128.
  29. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Políticas de formação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde. Brasília, DF, 2003.